COMO TRATAR MEUS VASINHOS

COMO TRATAR MEUS VASINHOS

Se perguntarmos a qualquer vascular qual a principal causa de procura no seu consultório 100 % deles responderão sem pestanejar : VASINHOS !

Mas o que são vasinhos , ou como os médicos gostam de chamar , telangiectasias ?

VASINHOSTelangiectasias são microvarizes , geralmente menores de 1 mm de diâmetro e permanecem dentro da camada da pele , com aparência arroxeada ou avermelhada , com ramificações e causando extremo incomodo estético para a grande maioria das pacientes .Já as varizes são veias mais grossas ( maiores de 1 mm ) e que permanecem abaixo da pele , em uma camada mais profunda . Apesar de fazerem parte da mesma doença , vasinhos não viram varizes e vice versa .

Os vasinhos são de causa genética ( herança familiar ), mas fatores ambientais como tipo de profissão ( permanecer muitas horas em pé ) , obesidade, sedentarismo , uso de hormônios anticoncepcionais , gestação , menopausa são todos fatores agravantes que podem piorar o quadro .

Na grande maioria dos casos os vasinhos são de conotação estética mas eventualmente , dependendo de sua localização e distribuição nas pernas eles podem servir como um sinal de alerta ao vascular para investigar problemas mais graves , como insuficiência de safena ou veias perfurantes . Se esse for o caso o paciente será submetido a tratamento mais adequado antes de atacar os vasinhos ( SAIBA MAIS AQUI )

Já em alguns casos , apesar de ter vasinhos de caráter estético , esses podem estar associados a veias nutrícias , e um tratamento adequado deve incluir o tratamento dessas veias  ( Seja com ClaCs , espuma – detalhados mais a frente  ou  MICROCIRURGIA DE VARIZES )

Mas como tratar os vasinhos ?

ESCLEROTERAPIA

escleroterapia

É o método mais antigo para tratamento de vasinhos . Consiste na aplicação com pequenas injeções de uma substância que vai queimar o vaso , provocando uma resposta inflamatória que vai fechar o mesmo . O número de sessões necessárias para estirpar os vasinhos geralmente é proporcional a quantidade de vasos e o produto a ser injetado depende da experiência pessoal do médico , características dos vasos e condições individuais do paciente . Os produtos mais utilizados no Brasil seriam a glicose hipertônica , o polidocanol e o ethamolin . Esses produtos podem ser utilizados em associação com algum anestésico caso a paciente não apresente nenhuma contraindicação , e em soluções onde se fazem combinaçãoes de escleroterápicos .

CRIOESCLEROTERAPIA

Nessa modalidade , também utilizando agulhas vamos injetar nos vasinhos apenas glicose hipertônica , a grande diferença é que essa glicose é usada congelada ( parece aspecto de gel ) . A grande vantagem seria da associação do frio , o que causaria menos dor na injeção e menor quantidade de hematomas .

ESCLEROTERAPIA COM ESPUMA

Aqui , o produto chamado polidocanol , que também é utilizado na aplicação convencional é misturado com ar ambiente para formar uma espuma ( parece espuma de banho , porisso o nome ) e esta é utilizada para aplicar os vasinhos .

sbacvlaser

 

LASER TRANSDÉRMICO

A sessão é feita  com os disparos do laser, que vai emitir luz em comprimentos de onda que serão absorvidos pela hemoglobina (pigmento do sangue) causando aumento de temperatura e queimando o vaso.  É uma opção para quem tem medo de agulha – aqui, elas são substituídas por pequenos choques. Na maioria dos casos  menos dolorosos que a aplicação tradicional e menor incidência de manchas após a aplicação, o que permite retorno mais precoce à exposição solar.

É o tratamento de escolha para vasos de face e corporal , obtendo resultados estéticos excelentes.

 

 

RADIOFREQUÊNCIA

Nesse caso utilizamos uma agulha que vai puncionar o vasinho mas ao invés de injetar um líquido esclerosante , será liberada energia de radiofrequência , queimando a parede do vaso causando seu colabamento .

CLaCs

Esse tratamento une o uso de laser transdérmico , escleroterapia , resfriador de pele guiado pelo uso de equipamento de Realidade Aumentada . Essa técnica consiste basicamente no uso do laser transdérmico seguido ( em um mesmo tempo ) de escleroterapia com glicose hipertônica . O pulo do gato nesse caso consiste em aplicar glicose em uma veia que já está sensibilizada com o disparo do laser , o que vai potencializar o efeito das duas técnicas . Com o disparo do laser o fluxo de sangue fica lentificado e permite que a glicose permaneça mais tempo em contato com o vaso . Essa técnica permite o tratamento de veias um pouco mais calibrosas ( que habitualmente seriam tratadas com microcirurgia ) e dos vasinhos , geralmente com resultados mais rápidos ( menor número de sessões que as outras técnicas descritas acima ) e com uma grande vantagem : COMO SE TRATA DE DISPARO DE LUZ E GLICOSE , ZERO ALERGIA , MENOR TAXA DE MANCHAS E COMPLICAÇÕES .

Nem preciso dizer que modalidades não faltam para tratar seus vasinhos , mas cabe ao médico Cirurgião Vascular , habilitado e treinado para executar todas essas técnicas de forma correta ,decidir qual será a melhor escolha para as suas pernas .

 

 

Shares
Share This