A incidência do tromboembolismo no País é de 0,6 caso para cada mil habitantes, segundo dados da Unesp (Universidade Estadual Paulista). 43% da população já ouviu falar em trombose, mas não sabe como prevenir a doença. O primeiro passo é conhecer os fatores de risco.

Em 2011 o FDA ( agência que regula drogas americanas ) discutiu o risco das novas pílulas anticoncepcionais e incluiu um aumento de risco nas suas bulas . A incidência de 12,5 casos a cada 100 mil mulheres que utilizavam hormônios anticoncepcionais  passou para 30,8 casos  após a introdução das pílulas mais modernas.

Um estudo publicado na revista especializada The BMJ Today e que foi conduzida por pesquisadores britânicos, mostra que as mulheres que tomam contraceptivos orais combinados, que contêm drospirenona, desogestrel, gestodeno e ciproterona, têm um risco de trombose venosa quadruplicado em relação àquelas que não tomam pílula.

O risco é quase duplicado em relação às mulheres que tomam contraceptivos orais de estrogênio mais antigos, que contêm levonorgestrel, noretisterona ou norgestimata.

Diferentemente como se pensava meios alternativos de administração desses hormônio , como adesivos , implantes e anéis não diminuem o risco . Geralmente esses métodos vão ter um risco maior em relação aos anticoncepcionais mais antigos ( a base de levonorgestrel  ) , mas mais baixo em relação aos anticoncepcionais modernos ( anticoncepcionais combinados de microdosagem ) .

Os anticoncepcionais a base de progesterona não parecem ter aumento de incidência de casos de trombose , assim como o DIU ( dispositivo intra uterino ) que também funciona com um hormônio a base de progestágenos .

trombosepilula

 

Quer dizer que devo parar de usar anticoncepcional ????

Não !!! A incidência geral de trombose venosa em pacientes em uso de anticoncepcional é baixa . Seu benefício supera os riscos quando bem indicado .

Quando é iniciado o uso de anticoncepcional , o ginecologista fará uma uma avaliação completa analisando qual o melhor hormônio a ser utilizado e vai levar em consideração as características individuais de cada paciente . Daí a importância de uma consulta médica , a escolha do anticoncepcional não pode ser banalizada .

NÃO ADIANTA SAIR TOMANDO POR CONTA PRÓPRIA O ANTICONCEPCIONAL QUE A SUA MELHOR AMIGA ADORA !

Existem casos onde a somatória de fatores contra indica o uso de anticoncepcionais , por exemplo : mulher de mais de 35 anos , fumante e com histórico de trombose na família . Apenas o médico vai saber avaliar qual é o seu risco individual e decidir qual é o seu método de escolha .

A grande maioria dos casos onde temos uma complicação , algum fator associado está presente :

  1. – Idade acima de 35 anos
  2. – Excesso de peso ou obesidade
  3. – Varizes nas pernas
  4. – Tabagismo
  5. – Câncer
  6. -Imobilismo
  7. -Trombofilias ( causa hereditária )
  8. -Traumas, especialmente nos membros inferiores e que requeiram redução de mobilidade temporária
  9. – Doenças crônicas, como insuficiência cardíaca ou doença pulmonar crônica
  10. – Uso de medicamentos como quimioterápicos

Conclusão : nada de desespero , consulte seu médico de confiança e discuta o seu anticoncepcional . Toda medicação está sujeita a complicações e a decisão se o risco benefício dessa droga vale a pena é feito entre você e o seu médico .

USE SEU ANTICONCEPCIONAL DE FORMA CONSCIENTE